quinta, 23 de agosto de 2018

As novas soluções digitais não só tornam as empresas mais conectadas, mas também aumentam sua mobilidade e capacidade de fornecer serviços de alto valor agregado para seus clientes. Entretanto, para os gestores de TI, a criação de um ambiente digital de alta confiabilidade e segurança está se tornando um grande desafio.

Novas ameaças, produtos e sistemas surgem diariamente — e, como consequência, as possibilidades para a área podem tornar a governança de TI uma atividade complexa. Pensando nisso, apresentamos os principais desafios da gestão de serviços de TI.  

A tecnologia sempre foi uma área do conhecimento humano com grande capacidade de mudanças e alta flexibilidade. Isso aumenta os desafios para o gestor de TI, que precisa estar preparado para enfrentar problemas técnicos diários e, além disso, constantemente agregar valor para as suas atividades. Conheça, a seguir, os principais desafios da área:

Proteger a rede e os dados contra ameaças

Não é preciso ir muito longe para notar o impacto que as ameaças digitais estão causando dentro de grandes corporações no mundo todo. Nos últimos anos, uma série de instituições, conhecidas por sua complexa política de segurança, foram vítimas de ataques, roubos e exposição de dados de seus usuários.

As falhas foram exploradas de inúmeras formas, aproveitando brechas existentes em dispositivos da Internet das Coisas (IoT), aparelhos pessoais ou bugs em sistemas críticos. Conforme a penetração da tecnologia dentro do ambiente corporativo torna-se maior, os perigos digitais serão uma constante para as empresas.

Por isso, os times de TI deverão lidar com redes que trazem centenas de aparelhos conectados — que irão de simples cafeteiras a complexos servidores. E, com a maior dependência da internet, ter boas soluções de segurança será algo crítico para a preservação da empresa.

Manter a organização do setor alinhada com as necessidades do negócio

O funcionamento do departamento de TI, quando desalinhado com as metas de mercado da empresa, pode causar grandes impactos para as receitas da companhia. Esse é um cenário que leva ao cancelamento de projetos e iniciativas que poderiam levar a empresa a ter novos negócios e serviços mais funcionais.

Além dos prejuízos, esse desalinhamento leva a corporação a aumentar o seu número de erros operacionais e, assim, diminuir criticamente os seus índices de qualidade.

Acompanhar a rápida evolução das tecnologias

Tendências como o Cloud Computing, o Big Data e as tecnologias mobile estão mudando rapidamente a forma como operações empresariais são realizadas. Em muitos cenários, cada alteração causa um impacto profundo dentro de uma empresa. Não se manter em dia com as novas tendências do mercado tem como principal consequência a perda da competitividade da companhia e o desperdício de recursos financeiros.

Controlar a estratégia do BYOD

A Bring Your Own Device (BYOD), ou “traga seu próprio dispositivo”, é a política de levar aparelhos pessoais para o ambiente corporativo. Mesmo já sendo adotada em vários locais, a abordagem é considerada como sendo de alto risco por muitos gestores.

Caso as políticas de gestão não sejam capazes de controlar os computadores e outros aparelhos pessoais que forem usados pelos funcionários dentro do ambiente corporativo, a empresa pode ficar exposta a uma série de ameaças digitais. Além disso, há o risco de distrações e de falhas na produtividade.

Manter sistemas e funcionários antigos

Várias empresas contam com sistemas legados, normalmente criados e mantidos por funcionários antigos e que, em alguns casos, já estão próximos de sua aposentadoria. Isso cria um grande problema para corporações que possuem as suas operações baseadas em equipamentos e sistemas antigos, muitas vezes feitos em linguagens de programação em desuso.

O desafio se desenvolve em duas pontas — o setor de TI deve reter e contratar o maior número possível de profissionais capazes de trabalhar com linguagens de programação antigas e, também, com os equipamentos utilizados para a sua execução. Além disso, toda ferramenta embarcada deverá ser mantida, sem que isso possa impactar na segurança e confiabilidade das soluções mais modernas da empresa.

Como vencer os maiores desafios do setor

Para vencer os desafios da área, o setor de TI corporativa deve trabalhar continuamente. Metas, expectativas e rotinas serão manejadas com foco em melhorias e bons indicadores.

O alinhamento de expectativas, por exemplo, organizará a forma como a empresa funciona ao lado da capacidade de trabalho do setor. Com a comunicação constante entre líderes e gestores, o departamento de TI poderá definir melhor suas estratégias e rotinas operacionais — que serão projetadas de acordo com os projetos da companhia, causando um baixo impacto nas atividades diárias.

Os gestores de TI devem investir na qualificação de sua equipe, com treinamentos e cursos regulares que possam diminuir o tempo necessário para a adaptação a novas tecnologias. Mas é importante que o conhecimento em TI não fique mais restrito aos profissionais da área — os líderes devem posicionar os seus melhores auxiliares por toda a empresa. Dessa forma, eles poderão se integrar a outros departamentos, auxiliando colaboradores a lidarem com as políticas, procedimentos e rotinas implementadas pela governança de TI.

A retenção de bons profissionais também deve ser levada em consideração. Em alguns setores, possuir um time estável de analistas, programadores e especialistas é crucial para manter a empresa funcionando corretamente. Criando um plano de carreira bem definido, a empresa terá funcionários mais motivados, e capazes de agregar um valor maior para os seus serviços.

Se a companhia optar por implementar políticas de uso de dispositivos pessoais como ferramentas de produção, ela deve estar atenta aos riscos de segurança causados por esse tipo de estratégia. Computadores que não são controlados totalmente pelo departamento de TI podem aumentar o número de vulnerabilidades dentro do ambiente corporativo, assim como causarem um impacto negativo na estrutura de rede da empresa.

As ameaças digitais, assim como a IoT e o BYOD, tornaram crucial a criação de uma política de gestão e de segurança digital mais abrangente. Controles de acesso, VPNs, soluções de segurança e regras de uso devem ser adotadas — isso facilita a manutenção de uma estrutura de serviços e dispositivos de alta eficiência e com um grande padrão de qualidade, beneficiando a companhia e seus colaboradores.

Como consequência, toda a estrutura interna de TI da empresa será mais confiável — e a capacidade de armazenar dados e o desempenho dos sistemas da empresa serão ampliados, assim como o poder de inovação do negócio.

Trabalhando por uma governança de TI de qualidade

Os serviços digitais estão sendo cada vez mais integrados ao core business das organizações brasileiras. Desempenhando um papel crítico em todos os setores, a criação de uma política de gestão de qualidade deve ser o foco dos líderes da área.

O time de analistas, técnicos e especialistas em tecnologia da empresa devem trabalhar para serem catalisadores de mudanças positivas dentro do ambiente corporativo da empresa. Essa abordagem não só leva a grandes melhoras em toda a cadeia operacional e comercial da empresa, mas também a novas formas de inovação, negócios e parcerias comerciais.

Quando o setor é capaz de vencer todos os seus desafios, ele pode auxiliar a empresas a diminuir os seus custos de gestão e criar novas possibilidades comerciais. Ao focar na melhoria de rotinas, ou ao agilizar a resposta às solicitações dos usuários, o setor de TI amplia a qualidade operacional da empresa.

No cenário atual, um bom setor de TI aumenta a capacidade de a corporação atender bem os seus clientes e principais parceiros comerciais. Assim, por possuir mais qualidade e custos menores, a empresa passará a ser mais integrada e competitiva.

Agora que você já sabe a importância da Gestão de Serviços Gerenciados de TI para sua empresa.  Esperamos que este artigo tenha lhe dado um direcionamento estratégico para a gestão da sua TI. Quer saber mais? 


Fale já com nossos consultores